Comunista, tire a máscara!

Compartilhar

Por: Inédita Brasil

Na tarde deste sábado (12/06), a Inédita Brasil esteve, mais uma vez, nas ruas de SP para descrever através de fotos, quem eram os personagens que estiveram no ato a favor de Bolsonaro: um longo passeio de moto, composto por motoclubistas, em sua maioria homens de classe média alta, brancos, que fazem parte de moto grupos, como também são conhecidos e recolhem dinheiro, através de mensalidades e eventos que, segundo eles, tem seus valores arrecadados, em parte, revertidos para ações sociais.

O método de “socialização” dos motoclubes mostra-se bastante excludente para quem não está disposto a cumprir determinadas regras extremamente rígidas e pelo que vimos em centenas de vídeos disponíveis nas redes sociais, claramente opressoras, desconectadas com qualquer possibilidade de uma sociedade mais justa e fraterna. Para verificar isso, basta realizar uma simples pesquisa no Google, e aferir assim tudo o que vamos falar agora para você.

Disciplina e hierarquia são as palavras de comando presentes tanto nos estatutos, quanto na prática dos motoclubes do país todo, características comuns dos profissionais militares e seus métodos. Há punição não divulgada para quem não cumpre regras.

Por favor, alguém avisa que não existe Comunismo no Brasil!

Nas décadas de 1940 e 1950, os motoclubes “clássicos” eram formados apenas por homens. Hoje, é só observar um passeio como o de ontem, em apoio a Bolsonaro, para identificar que pouca coisa mudou e os ‘machos’ continuam compondo a maioria esmagadora desses grupos. Há relatos de integrantes desses motoclubes disponíveis na internet, em vídeo, que trazem um contexto de motogrupos “diferentes”, do ponto de vista dos direitos e liberdades, com composições mistas ou exclusivamente de mulheres, minoria sempre nestes últimos dois casos.

Do ponto de vista financeiro, não é qualquer apaixonado por motos e motociclismo que pode fazer parte desses grupos. Há motoclubes que só aceitam motos com altas cilindradas pré-definidas, já outros aceitam todas as cilindradas até menores, mas isso vai depender, obviamente, do percurso das viagens que estiveram programadas, o que também é por eles justificado: trata-se de uma forma de fazer ultrapassagens “mais seguras nas estradas”, como se isso fosse possível. As motos tem preços salgados. As cifras podem iniciar em R$ 15 mil indo até 70 mil, como pudemos verificar, sem nenhuma necessidade de nos aprofundarmos muito nas pesquisas disponíveis em anúncios, por exemplo, no site Mercado Livre. Há valores mais altos, obviamente.

Um curioso vídeo realizado por um presidente de um desses motoclubes e postado em junho de 2020 no Youtube, trata o tema das “etiquetas”. Sim, é um vídeo que traz dicas sobre o que esses homens não podem fazer em grupo. Cumprimentos devem ser feitos de acordo com a hierarquia, baseada nas patentes expressas nos coletes ou, quando não tem, de acordo com a fase geracional. Também é importante remover óculos e luvas quando for cumprimentar, pois segundo o presidente mostra que você “encara seu amiguinho dentro dos olhos e não tem “nojinho” de cumprimenta-lo.” No mesmo vídeo, há um conselho importante, para o desavisados que pretendem “mexer com alguém que esteja acompanhado” : “na era do mimimi, precisa tomar cuidado com as brincadeiras”. Diz o presidente

Com todas essas evidências de comportamento machista, misógino, sectário, classista e predominantemente preconceituoso e nada empático durante a pandemia, não é de se espantar que pessoas que fazem parte desses grupos, apoiem o presidente Bolsonaro e tenham ido neste sábado (12/6) às ruas, num percurso grande, com cerca de 129 km, passando por 14 pontos, que incluem muitas das avenidas e ruas mais movimentadas de São Paulo, jogando o nível da carga viral de COVID-19 lá nas alturas. Sim, a motociata deste sábado, foi um presente para o vírus e para as novas mortes que infelizmente ocorrerão, porque o uso da máscara foi completamente abolido, tanto por Bolsonaro, como pelos motociclistas.

O presidente sem máscara…
…e na moto que pilotava com placa coberta, vá você fazer isso….

Comunista, tire a máscara!

Ainda ontem, a equipe da Inédita Brasil ouviu relatos absurdos em conversas de “pé de ouvido” na rua. Eram homens que falavam com desprezo e sede de exterminar “comunistas”, que eles acreditam existir num país como o Brasil. Outras rodas tinham falas relacionadas ao cotidiano, então, o papo era sobre “arrebentar mulheres”, numa alusão violenta e vulgar à prática do sexo. Uma de nossas repórteres foi assediada com gestos obscenos feitos com a língua, por um digníssimo senhor que aparentava ter uns 70 anos talvez. Constrangida, temendo ser mais violentada ainda, saiu do local. É meu povo, é sobre isso.

Um de nossos fotógrafos que foi registrar o ato, devidamente protegido com máscara e tentando buscar mais proteção, deixou para sair de casa, já na dispersão da manifestação, quando o público já estava mais espalhado. Por questões de segurança, infelizmente uma realidade que nos é colocada agora, não vamos revelar sua identidade e essa é a condição que jornalistas que não concordam com as medidas desmedidas do governo, trabalham hoje no país: temendo violências físicas, oriundas desses grupos.

O fato é que nosso fotógrafo estava nas imediações da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), na Rua Sargento Mario Kozel Filho, em frente ao batalhão do exército captando as últimas imagens, quando foi atacado! Sim! ATACADO por essa digníssima senhora da foto, que aos gritos o questionou: “por que você está fotografando?” Imediatamente o fotógrafo respondeu que, tratava-se de um direito à liberdade de imprensa. Fato que a ala Bolsonarista desconhece. Aliás, ali em frente a Alesp existe um acampamento de apoiadores do governo federal que de modo ilegal e anticonstitucional pede intervenção militar com Bolsonaro no poder. Cuidado quando passarem por lá, porque o poder público parece ter vendado os olhos para isso.

A senhora continuou: “vou tirar uma foto sua!” E sem criar problemas, o fotógrafo fez sinal de “ok”.

E aqui acontece a cena mais inesperada: a bolsonarista inicia uma gravação de celular e avança com violência para cima do rapaz, dizendo que ali, comunista não poderia ficar de máscara, gritando:“Comunista, tire a máscara!” Na sequência, com violência, tentou arrancar a máscara do rosto do fotógrafo.

Sequência de insanidade da mulher bolsonarista contra o fotógrafo da Inédita, desde o momento em que tenta, violentamente, arrancar a máscara de seu rosto

Momento após a tentativa da digníssima senhora tentar arrancar a máscara do fotógrafo. Ele diz: ”coisa feia senhora” e ela responde: “coisa feia é você”.

Analisando os dois fatos que trouxemos aqui neste relato, nos chama atenção novamente, o poder imediatista e ainda impactante, obviamente para o mal, de Bolsonaro, na Comunicação. Vocês se recordam que na semana passada o presidente ordenou ao Ministério da Saúde que a máscara não era mais necessária para vacinados e aqueles que já ficaram doentes? Pois então está dado o recado para os valorosos movimentos populares e sociais, mas principalmente, para os partidos políticos que precisam deixar de somente reagir após as ações desastradas desse governo. A pandemia, com seus já quase 500 mil mortos, prova que o plano fascista está dando certo, mas ainda é possível criar sentimento de empatia humana. A esquerda brasileira precisa deixar as vaidades e burocracias de lado, para atender, de fato, os interesses de quem está tentando sobreviver a esse vírus. O que não dá mais é para esperar que novas insanidades ocorram.

Dia 19 de junho, a equipe da Inédita Brasil vai às ruas novamente registrar a manifestação, dessa vez, dos movimentos do povo, trabalhadores de aplicativos, torcidas organizadas e militantes de esquerda e queremos aqui, deixar um apelo: é preciso que, de fato, o distanciamento social seja feito, bem como, a desobediência à Bolsonaro, com o uso de máscara seja o principal objeto de defesa contra a COVID-19 e defesa da Ciência, pela vida, com real respeito e disciplina no seu melhor significado. É de amor à vida que estamos falando e isso nós temos, já o vírus e essa gente bolsonarista são perigosos no mesmo nível. Cuidem-se!

 #inedita #inéditabrasil #forabolsonaro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *